segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Drogas, bebidas e diversão

Oi Gente !

Hoje saiu no The Telegraph (jornal de Londres) uma matéria falando sobre drogas e bebidas entre bailarinos das grandes Cias de Ballet. É uma matéria onde tem alguns grandes bailarinos querem desmitificar que "os bailarinos não só vivem um mundo de sacrifícios, e que os bastidores tem também diversão, porém nem todas são tão sadias".

Texto The Telegraph - Telegraph.co.uk - Friday 15 January 2016

Resultado de imagem para eric underwood royal ballet

The Royal Ballet, o solista Eric Underwood (foto) admitiu que fuma, bebe e se diverti - e ele não é o único. É hora de admitir que o balé não é tão santo quanto parece?

Imagine o mundo de um bailarino profissional e provavelmente é algo como isto: intermináveis ​​horas de ensaios exaustivos, e que começam dolorosamente e inclui refeições altamente restritas.

É o tipo de perfeição cuidadosamente controlada que vimos a personagem de Natalie Portman em Black Swan tão desesperada para conseguir o seu objetivo.

Foi exatamente esta imagem de ballet que foi recentemente abalada pelo solista Royal Ballet Eric Underwood (que está atualmente estrelando em Wayne McGregor aclamado pela crítica Woolf Works), quando ele disse: "As pessoas acham que vou para casa  fazer um alongamento e depois dormir, mas isso não é verdade ".

Underwood descreveu o retrato de bailarinos em Black Swan  dizendo que "isso é um clichê, e tão longe da realidade. Nós não somos tão angelicais. Os Bailarinos bebem, fumam e fazem sexo casual, como qualquer outra pessoa ", disse ele.

O hedonismo do conjunto de ballet nunca foi totalmente explorado, ou reconhecido - pelo menos publicamente.

"Eu sei que tenho sido retratado como o" bad boy "de ballet [por causa dos meus comentários], mas tudo bem," diz Underwood . "Eu gosto de me divertir. Eu sou um cara de bom humor - por que as pessoas estão chocadas, eu gosto de sair e me divertir "

A razão pela qual as pessoas se surpreendem, é claro, é porque pensamos que dançarinos são seres exemplares, de uma vida de abnegação, cujas vidas são dominadas pela disciplina árdua e horários rigorosos.

"Dizer que é fisicamente extenuante é um eufemismo", admite Underwood. "Um dia típico começa às 10:30, mas eu já devo ter feito Pilates antes disso. Os ensaios vão até 5:30, e a apresentação ocorre a noite das 19:00 - 22:30. Mas  é exatamente por isso que "demituficar" é tão importante.

"Eu não tenho muito tempo", ele sorri, "Eu ainda vou continuar a beber, fumar ou comer um cheeseburger. As pessoas têm noções preconcebidas de dançarinos - eles pensam que nós somos 'divinos'. Mas eu quero dissipar o mito e dizer absolutamente que não é isso".
Kate * é uma bailarina do Royal Ballet durante onze anos. "A dança é uma forma de arte", diz ela. "É como a pintura, ou música - nós somos pessoas criativas. Se Drogar e beber em uma noite, isso só acontece porque é tudo parte da exploração criativa. Nós encarnamos histórias incríveis e  intensas no palco, por isso faz sentido irmos abraçar isso em nossas vidas reais também." Ela compara o lado rebelde de uma bailarina como, "liberando uma válvula ou tomar fôlego.

Este mau comportamento permanece em segredo porque, diz ela, "Nós somos modelos para aspirantes a estudantes - seria útil para divulgá-la."

A ética do trabalho duro é algo suficiente para dançarinos.

* James é um bailarino aposentado de Londres, que agora está sediado em Los Angeles. "A Vida Noturna sempre fez  da indústria quando eu estava dançando no West End de Londres - e  sempre fará", diz ele.

"Os dançarinos são jovens - e seus corpos saltando. Eu já sabia que os dançarinos bebiam toda a noite. Outros iriam  a lugares promíscuos no Soho durante o dia e tomar medicamentos antes da apresentação. "



Âmbar Doyle (foto), 34, formado na Royal Ballet School and School Central de Ballet, ele já trabalhou com músicos como Calvin Harris, Franz Ferdinand e Jessie J.

Ela diz que nunca beberia a noite antes de uma apresentação, mas outros têm diferentes comportamentos. Uma coisa que todos eles concordam,  é : "nada vai nos impedir de praticar e de se apresentar .O balé é a nossa religião - e isso significa estar de volta na barra de manhã após uma noite pesada."

O osteopata e coreógrafa que virou dançarino, Leon Baugh (que ganhou um prêmio Olivier de Melhor Coreógrafo Theatre para Sucker Punch em 2011), cuida de alguns dos bailarinos mais conhecidos do mundo, incluindo Sylvie Guillem e Jennifer White.



"Eu acho que os bailarinos são sempre arredios", diz ele. Entre os mais arredios foi Patrick Bissell (foto), levou a bailarina principal do American Ballet Theatre, que morreu aos 30 em 1987 de uma overdose de drogas. Sua morte levou as investigações sobre o uso de drogas dentro da indústria, mas pouco parecia mudar.

Resultado de imagem para Nilas Martin

Anos mais tarde, em 2007, o Principal New York City Ballet, Nilas Martin (foto) acabou virando manchete quando foi acusado de posse de cocaína.

De acordo com Baugh, muitos bailarinos fogem da vida dura por causa do " trabalho que impõem em seus corpos, que são incrivelmente eficientes. Eles estão trabalhando duro. Na verdade, a maioria das lesões de dança eu trato  por causa do excesso do treinamento - eles podem estar dançando durante 12 horas por dia ".

Outra pessoa que não está convencido pelos contos de fadas dos bailarinos, e que consideram eles arredios é o maquiador Kabuki. Ele já trabalhou com todos, de Michael Jackson e Madonna para Rihanna e Lady Gaga e agora está trabalhando na produção do Royal Ballet, Woolf Works, que tem Underwood com uma das estrelas .

"Comparado com as estrelas do rock, dançarinos são como atletas de classe mundial - eles estão tão comprometidos fisicamente", diz ele. "Em uma festa recente, notei que os bailarinos estavam com copos de água, em vez de champanhe. Você pode imaginar as estrelas do rock bebendo água em uma festa? "Ele ri. "Mas quando você está investindo em algo emocionalmente, você não pode simplesmente ir contudo e depois no último minuto arruiná-lo - seu corpo é seu instrumento. Eles vivem pra isso, e eu os admiro por isso. "

Mas outro ponto que vale salientar que é ,  um bailarino pode dar-se ao luxo de ir no limite. Como Tiago diz: "Quando seu corpo está em tão boa condição, você pode abusar dele."
No entanto, ele admite que é um breve momento. A idade média dos bailarinos é considerado em seus trinta e poucos anos - um evento tão traumático existe uma indústria dizendo que, "Um dançarino morre duas vezes."

*Nomes foram alterados

Mudamos, novo endereço da loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo
Instagram: moda_ballet
Whatsapp: (11) 9.4555.8441
Fone: (11) 3530-3024


Nenhum comentário:

Postar um comentário