segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Bailarinos são vítimas constantes de lesões nos joelhos.


Resultado de imagem para joelho de bailarina

Seja clássico ou moderno, o balé é um dos estilos que mais capacita, em termos musculares, um profissional da dança, além de trabalhar diversos grupamentos  musculares. Entretanto, são justamente os bailarinos que mais se machucam em aula, seja devido a traumas e entorses, sobrecarga física e corporal e à dura rotina de ensaios e apresentações. Muito embora a dor seja grande, é comum não seguirem as recomendações médicas. Isso ocorre porque o conselho nos casos de lesões, geralmente, é sempre o mesmo: largar a dança, mesmo que por um curto período de tempo.


Segundo Daniel Ramallo, do Instituto Nacional de Ortopedia e Trauma ortopedia (INTO-RJ), uma das regiões mais atingidas nos atletas da dança são os joelhos.  “As lesões mais comuns são entorses e contusões decorrentes de traumas. Menos frequentes as lesões meniscais, lesão interna da articulação acometendo o “amortecedor” do joelho, pode levar a inchaço local, dor e incapacidade de dançar. A lesão do ligamento cruzado anterior, que é o rompimento da principal estrutura que estabiliza a articulação também  pode ocorrer e a reconstrução  por vídeo deve ser realizada”, diz o especialista, que é ortopedista da Companhia de Dança Deborah Colker.
O tratamento com o ortopedista se diferencia dos demais porque ele não exige que as bailarinas parem de dançar na maioria das lesões. “O tratamento pode ser feito mantendo o condicionamento e consciência corporal, com adaptação dos treinos e utilização do conhecimento da mecânica individual para fazer o paciente voltar a ter uma ótima condição muscular”, afirma. Para o médico, no caso da lesão do ligamento cruzado anterior, a recuperação é mais lenta, até porque a cirurgia demanda alguns meses para completa recuperação do joelho.
“Já no caso das lesões funcionais e musculares, é imprescindível reabilitação sob supervisão médica para a recuperação da força do aparelho flexor e extensor”, explica  Ramallo, lembrando que qualquer tratamento depende do tipo de lesão e da gravidade com que ela se apresenta. E faz uma ressalva: “Bailarinos trabalham muito a parte técnica e nem sempre um trabalho de reforço muscular e de aprimoramento dos movimentos e reflexo acompanham a parte física, o que dá brecha para o desenvolvimento de várias lesões”.
Ramallo ainda aponta: “No geral, os bailarinos são muito perfeccionistas. Só que o corpo nem sempre corresponde a essa exigência. Muitas lesões também ocorrem por sobrecarga muitas vezes fora dos períodos de treino em que ao invés de descansar, os atletas por conta própria complementam sem orientação o treinamento físico, criando um ambiente propicio ao excesso de treinamento e menor tempo de recuperação”, finaliza o especialista.
Fonte: http://www.jb.com.br
Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo




Nenhum comentário:

Postar um comentário