quarta-feira, 3 de agosto de 2016

"Obra-prima", afirma Deborah Colker sobre abertura da Olimpíada do Rio




Resultado de imagem para olimpiadas 2016



Oi Gente !

Eu fiquei um tempo sem postar nada, por causa do nosso dia a dia corrido... Mas voltei e para o post de hoje não poderia deixar de falar das Olimpíadas em nosso país,  com a sede no Rio de Janeiro e algumas sub sedes em outros estados como em São Paulo. 

E o  assunto do momento e a abertura dos jogos Olímpicos,  como não poderia faltar vamos um espetáculo dança e teremos uma representante da dança Deborah Colker.

E gostaria compartilhar com o você um texto da Globo Esporte , espero que gostem....

Diretora de movimento das cerimônias Olímpicas explica diferença entre comandar bailarinos profissionais e equipe de 6 mil voluntários que abrirão os jogos no Maracanã

Quando o cronômetro zerar, as atenções estarão voltadas para a cerimônia de abertura da Olimpíada do Rio, em dia 5 de agosto, no Maracanã. E caso a expectativa do público seja grande quanto ao resultado, tem alguém que já prevê o desfecho da festa: "Acho que vai ser um master piece (obra prima)", diz Deborah Colker, coreógrafa e bailarina de 55 anos, que atua como diretora de movimento das cerimônias Olímpicas e tem a responsabilidade de comandar 6 mil voluntários em segmentos de coreografias.
- Trouxe para cá várias pesquisas que eu vinha fazendo. E tem coisas novas, um espaço novo que inventei e estou desenvolvendo aqui. Acho que vai ser um “master piece” (obra-prima). Estamos tendo resultados tão bonitos. Gosto quando a gente consegue falar sobre algo de uma maneira totalmente inesperada. É uma cerimônia cheia de protocolos, mas estou muito orgulhosa, trabalhando com este segmento com muita paixão, brigando por ele - afirma ao site ao site "Rio2016.com”.
Apesar de os ensaios para a cerimônia terem começado em Maio, a preparação teve início bem antes - com cinco workshops e uma seleção de três meses dos 100 profissionais e 15 assistentes que ajudam Colker. É gente que vem do teatro e da dança, de vários estilos. Deborah aproveitou para analisar as diferenças entre trabalhar com bailarinos profissionais e voluntários.
Deborah Colker diz que desafio é "falar com movimentos" para pessoas do mundo todo (Foto: Rio 2016/Lucas Freitas)
- Eu adoro gente. Cada um é diferente, traz uma experiência de vida, uma condição social e emocional. Já trabalhei em espetáculos de grande porte. É um desafio falar com gente do mundo inteiro, de todas as idades e línguas. Temos que contar com o corpo e o movimento. Às vezes, os voluntários trazem uma resposta mais legal. Porque o cara capta a informação sem vícios, sem estereotipar, sem cliché. Os voluntários trazem naturalidade, espontaneidade e uma gana de ter uma experiência artística. Porque o cara é bombeiro, faxineiro ou empregada doméstica, e muitas vezes não tem no cotidiano o que chamamos de vida artística. É muito inspirador trabalhar com voluntário porque você "desengessa". Às vezes, você fica meio engessado. Bailarino já faz tudo certinho. Então, trabalhar com pessoas que não são acostumadas a fazer aquilo é sempre uma chance de aprender uma nova maneira de fazer - revela Colker.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/olimpiadas/noticia/2016/06/obra-prima-afirma-deborah-colker-sobre-abertura-da-olimpiada-do-rio.html

Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo 


Nenhum comentário:

Postar um comentário