segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Bailarina da Royal Academy aos 71 anos.



A bailarina Doreen Pechey, de 71 anos.

Antes tarde do que nunca, reza o ditado que levou uma aposentada do sudeste da Inglaterra às manchetes da imprensa nacional, onde aparece vestindo o bodye o tutu da dança clássica. Aos 71 anos, Doreen Pechey acaba de se tornar a bailarina mais velha do Reino Unido, depois de ser admitida na Royal Academy of Dance.

O ideal de prima ballerina pode não estar ao alcance de Pechey, mas, com seu ingresso no prestigioso centro de formação, ela realizou um sonho de infância que as dificuldades econômicas de sua família haviam impossibilitado. E isso apenas dois anos depois de implantar uma prótese no joelho. Ela prestou o exame da academia centenária em julho e, nesta semana, recebeu a aprovação que a própria instituição divulgou no Facebookcom uma mensagem de felicitação.
A engenheira elétrica aposentada concorreu ao exame de sexto grau em uma área cujo programa se concentra na fruição da dança e na interpretação, mais que na técnica. Para conseguir luz verde, no entanto, dedicou a última década a aprender, primeiro em aulas com alunos de idade avançada (entre os quais o balé se revelou crescentemente popular) e depois em sessões particulares, três vezes por semana.
Criada em Sothend-on-Sea e hoje residente em Goring-on-Times, também do sudeste da Inglaterra, Pechey não tinha recursos para se matricular numa escola de dança na juventude. E, quando o dinheiro já não era um impedimento, estava mergulhada nos estudos de engenharia elétrica com a intenção de exercer uma profissão que era, naquele tempo, território majoritariamente masculino. Aos 61 anos, e a um passo da aposentadoria depois de uma carreira produtiva, a visita a uma sobrinha residente no Canadá, professora de balé, a convenceu de que nunca é tarde para a dança.
“Quero que os idosos se deem conta de que podem fazer muitas coisas... Como aprender a dançar, que é muito bom”, declarou a aposentada sobre a mudança física e mental que experimentou com a prática. Quando resolveu enfrentar o desafio, usava manequim 48 (europeu), mas agora diminuiu para 40 e se sente mais flexível e em forma. O balé também contribuiu para a recuperação da cirurgia no joelho, além de lhe dar mais autoconfiança.
Pechey, que já mostra sua carteira da Royal Academy of Dance como bailarina amadora, tem como meta passar nas provas do sétimo grau. Por isso, na cozinha da casa que compartilha com seu marido Bill, instalou uma barra para treinar diariamente. Uma mulher de 71 anos capaz de levantar a perna a 90 graus ou tocar o joelho com o nariz, parece mais do que apta a superar esses e outros desafios.
Fonte: http://brasil.elpais.com
Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo


Nenhum comentário:

Postar um comentário