sexta-feira, 19 de maio de 2017

Aquecimento para o inverno


        Resultado de imagem para collant manga longa                           Resultado de imagem para polaina capezio Resultado de imagem para bota de aquecimento de ballet capezioImagem relacionada


Oi Gente !

Não há como negar o frio, o inverno já, já tá ai ! A aula de dança em clima gelado tem seus desafios. Um desses desafios é usar trajes de dança adequados, que mantenham o seu corpo aquecido o suficiente para evitar lesões. 

Uma dica é chegar um pouco mais cedo na aula para aquecer. Quando está frio, seus músculos estão contraídos e o aquecimento um pouco antes da ual ajuda a manter seu corpo aquecido,  eles precisam ser alongados lentamente antes de começar a dançar.

Coisas que você precisa: Collant  , meia calça, calças, perneiras, malha, polainas, sapatos de dança de aquecimento.

Dicas:
1. Comece com a roupas de dança básica, que é um collant,  meia calça e a sapatos de dança.

2.Coloque um manguito sobre o collant para manter a parte superior do corpo quente. Se você não tem um manguito, você pode usar  um collant  de manga longa, pois permite que você faça os movimentos.

3.Para manter parte inferior  do corpo quente, use perneiras ou calças de aquecimento de dança. Dica: use as perneiras de um modo que cubram bem as pernas.

4.O calçado vai depender do tipo de dança que você faz. Se é uma tipo de dança que não requer sapatos para aquecimento, use meias para o início da aula para fazer o aquecimento, depois retire as meias para evitar que você faça movimentos que possa forçar e causar algum tipo de lesão.

Dicas & advertências
Aqueça seu corpo, porém não permita o sobreaquecimento. Uma vez que você começou a se movimentar, consequentemente começa a aquecer. Você vai chegar no final da aula com minimo de roupa e continuar suando. Porém terminada a aula, não saia sem se agasalhar, mesmo que você tenha muito calor, pois ainda você tem a possibilidade de ter algum tipo lesão.

Fonte https://www.tututix.com


Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo





terça-feira, 16 de maio de 2017

A Bela Adormecida - solo da Princesa Aurora





Fit For a Princess
Hyltin em Aurora's Act I solo (foto de Paul Kolnik)


Oi Gente !

O Ato I o solo da princesa Aurora da "A Bela Adormecida" capta a exuberância juvenil da jovem princesa. Mas do ponto de vista técnico, seus quatro longos minutos tem múltiplas variações. New York  City Ballet  a bailarina principal Sterling Hyltin diz como dominar o estado de espirito e os tempos.

Fique calma
Na maioria das produções, o solo de Aurora acompanha o Rose Adagio - um dos momentos mais estressantes do ballet clássico. Não deixe que a ansiedade te domine . "É bom que o início da variação seja lento e controlado", diz Hyltin. "Eu uso a primeira série de balanços em arabesco para me recompor. Você também pode canalizar a energia restante do Rose Adagio - ela pode ajudá-la a projetar o espírito e a energia jovem da Aurora. "

Torne-se  parte do palco
A variação é mais fácil de obter se você interagir com os outros dançarinos no palco. "Eu gosto de imaginar que estou socializando na minha festa de aniversário", diz Hyltin. "Em teoria, o solo é sobre a Aurora, mas eu tento envolver os outros também. Você está cercado por pretendentes, e eles estão todos se divertindo, contando suas pequenas histórias. Identifique  cada um deles e use sua energia para mantê-los na sua história ".

Envolva-se na música
Criar uma ligação com a pontuação de Tchaikovsky é especialmente útil durante os arabescos de abertura. "Você pode brincar com a subida ou a descida de cada arabesco", diz Hyltin. "Quando você está focada na sua perna, você pode alterar a expressão quando estiver na ponta. Quando as coisas não funcionam tão bem, você pode se divertir no tombé depois. "

Deixe a parte superior do corpo contar a história
Sem port de bras eficaz, a série saltos em pointe na diagonal pode ter a sensação de ser muito longo. "O trabalho com os pés são simples,  nesse momento você pode usar mais a parte superior do corpo," Hyltin diz. "Tente gesticular para cada um de seus pretendentes, ou levantando um primeiro braço, em seguida, o outro braço e, finalmente, ambos a quinta. "Cada movimento deve ser elegante e régio. Você quer mostrar que a Aurora será uma rainha maravilhosa algum dia. "

Fique no topo do manège
A variação termina com um desafiante manège de rápidos coupés jetés e giros de piqué, uma expressão de alegria e energia desenfreadas - que pode se sentir como um choque após o ritmo vagaroso das seções precedentes. "Não fique atrás da música!", Diz Hyltin. "É difícil, porque você está exausto, mas se você está tentando pegar a última seqüência de piqué, você ficará muito tonto. Tente ficar um pouco à frente da batida nos coupés jetés. "E quando você terminar, respire fundo. "Depois deste solo, você via ter a sensação de ter terminando a apresentação", diz Hyltin, rindo. "Algumas das partes mais difíceis estão bem na frente,  relaxe e aproveite. "

Fonte: http://pointemagazine.com


Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Bailarina e mãe: podemos ser ambos?

Resultado de imagem para Charlotte Vincent ballerina pregnant


Oi Gente!

Charlotte Vincent do teatro da dança de Vincent trabalha com bailarinas  que enfrentam a questão da maternidade.

Como praticante feminista, ela tenta rejeitar os estereótipos de gênero e dança no trabalho que ela faz: "Sempre estou interessada em ver atrizes/bailarinas fortes e que são fisicamente poderosas e emocionalmente expressivas.

Como uma diretora artística que trabalhei nas artes por duas décadas eu enfrento atualmente alguns questionamentos desafiadoras dentro da companhia com os bailarinos que querem criar famílias assim como um novo trabalho. Estou descobrindo que as questões sobre gravidez, maternidade e dança são tão complicadas, complexas e emocionalmente exigentes como o processo de fazer o trabalho em si.

Bebês e ter uma carreira criativa
As bailarinas geralmente dedicam 100% de seu tempo e energia ao processo criativo e às demandas de um estilo de vida em turnê. Ter um estilo de vida transitório torna-se normal e as expectativas em torno da família e parceiros são limitadas, isso é consequência pelo estilo de vida que escolhemos como artistas.

À medida que amadurecemos o relógio biológico entra em ação, algumas bailarinas percebem que deixaram a maternidade tarde demais e algumas decidem que não querem filhos, preferindo a vida na estrada.

Mas o que acontece com aqueles que optam por fazer as duas coisas? Como a dança pode apoiar esses dois atos criativos como uma tandem (bicicleta com dois lugares, onde as pessoas podem pedalar juntas) - fazendo bebês e trabalhando?

A bailarina é geralmente uma pessoa que se preocupa com seu corpo e a função dele para toda vida adulta. O processo de  engravidar para quem já teve o histórico de transtornos alimentares, baixo peso e trabalhos exaustivos,  pode ser frustrante, debilitante e doloroso.

A questão de engravidar enquanto ainda está realizando um trabalho, pode causar um aborto espontâneo. O resultado é do excesso de esforço, especialmente em mães mais velhas. O tipo de trabalho que os bailarinos se envolvem irá também determinar a sua decisão de continuar com ele ou não.

Saltando sobre 120 cadeiras ou caindo sobre um piso de ardósia, você pode pensar duas vezes sobre colocar você e a saúde do seu bebê em risco.

As mulheres que trabalham como bailarinas freelancer têm decisões difíceis a fazer em engravidar. Se pararem de dançar, elas param de ganhar dinheiro - algumas mulheres que não tem relacionamentos estáveis ​​podem optar por não continuar com a gravidez nessas circunstâncias.

Alguns freelancers com parceiros capazes de suportar a aventura da maternidade podem tornar-se financeiramente dependentes pela primeira vez em suas vidas - um ajuste emocional e psicológico difícil para feministas!

Se trabalhar PAYE, as bailarinas recebem uma ajuda de custo para maternidade. No entanto, empregos de dança contemporânea em tempo integral com todos os benefícios não estão amplamente disponíveis na cena de dança experimental do Reino Unido, é limitado dentro da cena contemporânea .

Estamos trabalhando menos do que o habitual por causa das visitas semanais dos parceiros das bailarinas e de seus bebês ao estúdio. Emocionalmente, o dançarino está descobrindo que o sono das noites quebradas com um bebê na época dentição inibe seu tempo de recuperação das noites de sono perdidas, o que pode levar ao cansaço acumulado.

Como precaução, a VDT empregou um sub-estudo totalmente pago para aprender seu papel, pela primeira vez na história da empresa. Arts Council England apoiou este modelo.

Para evitar a perda de nossas melhores bailarinas maduras para  maternidade, devemos fornecer apoio consistente e apropriado para encorajar as mulheres de volta ao trabalho ou vamos criar um ambiente de dança britânica dominada por homens e artistas femininas mais jovens, cujo trabalho é válido, mas talvez carece de profundidade emocional. As muitas maneiras práticas de fazer isso podem ser consideradas e projetadas para cada empresa / indivíduo envolvido, mas podem se beneficiar da política ACE.

Juntamente com estas responsabilidades organizacionais, no entanto, são as considerações do indivíduo e como ela gerencia a mudança psicológica e emocional de artista para mãe e vice-versa. Disseram-me que depois de ter um filho, você muda a sua visão do mundo.

Fonte: https://www.theguardian.com


Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo


quinta-feira, 11 de maio de 2017

Por mais tempo junto, pai faz balé com filha e sofre preconceito.

Oi Gente!
Para passar mais tempo junto com os filhos talvez seja um dos grandes desafios das famílias das grandes cidades. São as contas, o trabalho, as demandas da casa, alguns dos grandes obstáculos que se colocam no dia a dia de pais e filhos. Pensando justamente em passar mais tempo com a filha Luana, que tem nove anos, Raphael Najan, de 33 anos, decidiu acompanhá-la em uma de suas atividades extra-curriculares.
Mas, o que poderia ser visto como uma boa solução encontrada por ele para estreitar o vínculo com a filha, virou alvo de críticas e preconceito nas redes sociais.  Isso pois Raphael, que é preparador físico e bailarino, decidiu acompanhar a menina em suas aulas de balé.

Créditos: Renata Labanca
Pai e filha na aula de balé
Após a iniciativa ter sido pauta de uma matéria do site do Estadão, ele começou a receber críticas e ofensas pelas redes sociais.
De acordo com a reportagem do UOL, não foi a primeira vez que Raphael sofreu preconceito por conta da dança. Ele conta que seu próprio pai relutou muito em aceitar sua escolha profissional."Eu fico pensando por que uma pessoa se dá ao trabalho de criar um perfil fake só para poder fazer esse tipo de crítica. Mas é o ser humano, né? As pessoas cobram tanto que haja mudanças na sociedade, mas elas mesmas continuam destilando preconceito", disse Raphael em entrevista ao UOL.

Créditos: Renata Labanca
Pai e filha na aula de balé
O bailarino afirma que adoraria que seu outro filho, Miguel, de seis anos, também praticasse balé, mas que acredita que a criança pode já estar influenciada pelo preconceito em relação à prática da modalidade por meninos.
"Uma vez falaram que o pai dele era bailarino e ele ficou bravo, respondeu que não, que o pai dele dançava. Fica a briga dos pais contra sociedade, contra a escola que diz que balé é coisa de menina, que se veste de rosa".
https://catraquinha.catracalivre.com.br
Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo

terça-feira, 9 de maio de 2017

Maquiagem

Oi Gente !

Dançarinos são especialistas quando se trata de maquiagem. Chegam uma a duas horas antes da apresentação para começar a preparação, e, embora os supervisores do departamento do cabelo e da composição estejam no local para ajudar, os dançarinos fazem a maior parte. Desde a aplicação de longos e falsos cílios até o contorno do rosto. Essas senhoras dominam vários truques.

Aqui,tem um exemplo de uma dançarina do NYCB : 

How Five Ballerinas Get Ready for the 'Nutcracker'


Lauren Lovette, dançarina principal

Como você descreveria a composição desse personagem?
É mais claro, com rosa e lilás. A Fada do açúcar representa tudo que é doce no mundo,  ela é uma espécie de rainha da terra do doce perfeito. Ela é maternal e angelical.

Você é viciada em beleza?
Eu sempre amei maquiagem, mas minha mãe nunca deixou usar quando eu era mais jovem. Eu só usava rímel quando tinha 14 anos. Quando eu tinha 12 anos, eu me lembro da minha mãe ter jogado fora Mary Kay de sombra dourada que veio em um dos pacotes, e então eu peguei do lixo. Eu passei nas minhas pálpebras, eu me achei o máximo.

O que você aprendeu nos bastidores? E quais dicas você daria ? 
Você está sozinho e faz isso todos os dias a mesma coisa, então você percebe que fica cada vez melhor,  você descobre o que funciona para o seu rosto. Nós tínhamos alguns diretores - é engraçado porque agora estou do outro lado - mas eu me lembro de bailarinos principais que vieram ao meu camarim quando eu era uma aprendiz e eles me ajudando e dizendo: 'Isto é o que você deve fazer no seu olho! E 'Use essas cores.' É divertido porque você começa a brincar, então eu faço sempre algo diferente para cada papel que eu começo a fazer. Uma das minhas dicas é usar os dedos [para aplicar sombra]. Aprendi isso com Sara Mearns, uma dançarina principal que fez parte da companhia há alguns anos. É muito mais fácil de misturar nas mãos. 

Quanto tempo você leva para fazer maquiagem? 
Chego ao teatro uma hora e meia a duas horas mais cedo,  eu gosto de ter uns  quarenta minutos para fazer minha maquiagem. Eu gosto do processo de fazer minha própria maquiagem. Você não precisa fazer sozinha a maquiagem você pode pedir para alguém fazê-la, mas fazer a maquiagem me ajuda a entrar no clima para o show. Eu me sinto muito calma. É meditativo.

O que você usa de  maquiagem quando não está se apresentando? 
Eu sempre uso corretivo [Revlon Photo-Ready Corretivo,] porque eu tenho um pouco de olheira. As vezes eu gosto de passar um lápis marrom em minhas sobrancelhas, e também um pouco de rímel. Eu gosto muito de batom - especialmente na categoria marrom, frappuccino, café-cor.

Como você remove a sua maquiagem? 
Eu amo removedor de maquiagem Aveeno Ultra-Calming Maquiagem de  toalhetes. Meu rosto não fica vermelho. Eu uso o Simple Foaming Facial Cleanser para lavar o rosto,  uso o Neutrogena Ulra Light Cleansing Oil se eu tiver usado uam maquiagem pesada. Às vezes eu lavo [o meu rosto] duas vezes, dependendo da quantidade da maquiagem que eu estou usando, e então a loção hidratante diária Aveeno é o único que eu uso no meu rosto.

Como você faz a rehab da sua pele? 
Eu fiz um alguns de tratamentos faciais este ano, mas eu descobri que minha pele é tão sensível, então quanto mais simples o tratamento é melhor. Eu tenho usado a loção Aveeno. 


Fonte: http://www.elle.com
Loja virtual: http://www.modaballet.com.br
Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo




sexta-feira, 5 de maio de 2017

Flexistretcher - para ajudar melhorar sua desenvoltura na dança.

Oi Gente!


 A técnica e o ensino da dança esta em constante evolução, como bailarinos devemos estar atentos aos novos caminhos para usar nosso corpo no limite do que é saudável sem prejudicar nossa “vida útil”. 

A bailarina profissional que virou empresária Rachel Hamrick, recebeu seu treinamento do ballet clássico na Academia Kirov e dançou profissionalmente para National Ballet Holandês, Ballet Nacional Húngaro, Universal Ballet, Orlando Ballet e Les Grands Ballets Canadiens de Montreal. Depois de uma década de dança internacional, sua carreira foi interrompida por uma operação de emergência que deixou sua extensão espinhal e mobilidade reduzida drasticamente. 

Em sua busca para recuperar a flexibilidade e reconstruir sua própria forma, embarcou em uma missão para compreender melhor anatomia, cinesiologia (estuda os movimentos do corpo humano),  aplicações aos movimentos específicos da dança e à saúde funcional total. Com uma certificação Pilates, Yoga e Strength Conditioning, ela começou a trabalhar com clientes de todas as idades e níveis de flexibilidade para ajudar a aumentar a amplitude de movimentos, força e consciência anatômica. 

O primeiro protótipo Flexistretcher foi formulado a partir de uma necessidade de ajudar a bailarina profissional, mas por causa de uma ampla propagação global, a demanda expandiu-se e provou ser benéfica para todos os estilos de dança, atletas esportivos, pilates, yoga e qualquer pessoa que procure aumentar a flexibilidade e maximizar força. A experiência extensiva de Rachel forneceu-lhe a habilidade de criar exercícios feitos sob medida ideais para programas desportivos funcionais do treinamento do esporte / dança que utilizam a resistência elástica para obter ótimos resultados.


Flexistretcher 

A FLX oferece uma abordagem de treinamento de técnicas de condicionamento de flexibilidade com métodos de pilates, ioga e condicionamento esportivo para obter ótimos resultados em mobilidade e força, seguindo os requisitos técnicos e estéticos pelos dançarinos de elite e os atletas alta performance.

Utilizando a resistência elástica e as tiras totalmente ajustáveis, o Flexistretcher® permite realizar padrões de movimento específicos de dança ou esportivos, concentrando-se em melhorias na execução e mobilidade. Métodos de treinamento de resistência elástica têm sido usados por treinadores de top linha, formadores e especialistas em reabilitação por décadas. A implementação destes métodos de treinamento com o Flexistretcher® permite ampliar a sua amplitude de movimento, sem as limitações da gravidade, otimizando melhorias na flexibilidade e na força funcional. 
Funcional e versátil, o Flexistretcher® é uma ótima ferramenta para implementar em sua rotina de treinamento do estúdio, ginásio ou casa.


Como fazer um Arabesque com o Flexistretcher

Passo 1: Para começar o arabesco, certifique-se de que você está segurando algo estável. Coloque ambos os laços em torno de seu pé direito.

Etapa 2: Dobre o joelho direito e puxe-o para trás das costas.

Passo 3: Passe o braço esquerdo pelas alças, colocando a almofada de espuma em torno do ombro esquerdo.

Passo 4: Estenda a perna direita em um arabesco.


Arabesque with the Flexistretcher



Fonte: ttps://flexistretcher.com  


Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo





quarta-feira, 3 de maio de 2017

Fratura de dançarinos (5ª fratura de avulsão metatarso)

Oi Gente!


Uma lesão no tornozelo e pé pode causar uma avulsão (extração) fratura da base do 5 º metatarso - o osso que atribui o pequeno dedo do pé para o midfoot (Figura 1). Durante uma lesão por avulsão, um pequeno fragmento de osso na base do 5º metatarso é puxado por um forte ligamento que está ligado a esta parte do osso. A fratura causa dor localizada, inchaço e dificuldade para caminhar. Na maioria dos casos, este tipo de fratura pode ser tratado de forma não-operatória, com imobilização relativa numa bota de caminhar combinada com peso limitado. Toma tipicamente aproximadamente 6 semanas para que a cicatrização óssea adequada ocorra, antes que os pacientes possam começar a aumentar significativamente seu nível de atividade. Muitas vezes leva 12 ou mais semanas para uma recuperação completa ocorrer. Este tipo de lesão precisa ser diferenciada de uma "fratura Jones", que ocorre ligeiramente mais para o centro do 5 º metatarso.

Figura 1

Apresentação clínica


Um paciente que sofre um rolamento agudo do tornozelo também pode lesionar a base do 5º metatarso (Ver Figura 1). Isto irá produzir dor imediata sobre o aspecto exterior do pé. Pode ser associado com inchaço significativo. Ao longo do tempo, a pele pode ficar preta e azul. É associado com local específico sobre a base do osso, na parte externa do pé (o 5º metatarso). Os pacientes que sofreram uma fratura de avulsão de 5º metatarso terão  um histórico de lesão de torção no tornozelo e no pé (lesão de flexão plantar de inversão), semelhante ao que ocorre com um tornozelo ou entorse nos pés (Figura 2).


Figura 2


Exame físico


Ao pressionar a parte externa do pé haverá  uma sensibilidade em uma grande área do lado de fora do pé. No entanto, a maior sensibilidade estará na base do 5º metatarso. No exame, será determinado se o paciente ainda pode mover seu pé para o exterior (eversão do pé). Isso é feito colocando o pé em uma posição everted e pedindo-lhes para manter essa posição contra alguma resistência. Isso avalia a continuidade dos tendões que invertem o pé. Fazer isso geralmente cria algum desconforto para o paciente. No entanto, eles geralmente são capazes de realizar a ação.


Estudos de Imagem


A radiografia do pé revelará uma fratura de avulsão ("pulling off") da base do 5º metatarso. O tamanho do fragmento fracionado pode variar consideravelmente. Haverá mais margem no local da fratura, plantarly (na parte inferior do pé) e na parte externa do osso (lado lateral), em comparação com o interior do osso (lado mediano - Figuras 3A e 3B).



Figura 3A

Figura 3B

Tratamento

A fratura de um dançarino é uma lesão que geralmente é tratada de forma não-operatória. Se o paciente tem a capacidade de mover ativamente o pé para fora (eversão), a lesão provavelmente vai curar com o tratamento não-operatório. O tratamento envolve repouso e tempo relativos para permitir que a fratura cure. Tipicamente, os pacientes são colocados em uma bota de caminhar. Durante as primeiras semanas, eles terão que limitar significativamente a sua caminhada e deve ter muletas. À medida que o inchaço diminui  a fratura começa a cicatrizar, eles podem começar a andar mais extensivamente na bota. Geralmente por 6 semanas, a recuperação é suficiente para permitir a transição para um sapato de sola dura com espuma. Esta é uma lesão frustrante porque leva muito tempo para a cicatrização ocorrer. Os pacientes setem por 8 semanas dores sintomáticas ou mais após a lesão. Pode ser muitos meses antes do osso ser completamente curado e para uma total recuperação.

Quando há deslocamento completo dos fragmentos da fratura a união dos mesmos é improvável, então indica-se a cirurgia. Em outras circunstâncias, quando o emprego ou a recreação de uma pessoa exigem um retorno confiável e rotineiro por 4-6 semanas, a cirurgia é indicada também. Nestes casos, os fragmentos ósseos são reposicionados e estabilizados com um parafuso e rolamento de peso é iniciado imediatamente. É importante não esquecer outras lesões associadas aos ligamentos do tornozelo e pé. A instabilidade do tornozelo ou do pé, quando presente, deve ser abordada para evitar a recorrência de lesões de inversão do tornozelo.

A fratura de um dançarino é muitas vezes confundida com uma fratura metadariana de 5º metatarsiano (fratura de Jones). Uma fratura de Jones pode ocorrer como resultado de uma fratura de estresse ou trauma agudo. Ao contrário da fratura de um dançarino, uma fratura de Jones falhará mais geralmente cura sem cirurgia apesar dos períodos prolongados sem carregar peso.

Fonte: https://www.footeducation.com


Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo


sexta-feira, 28 de abril de 2017

Como fazer correções, corretamente.



Oi Gente!

Na aula  pode ter um turbilhão de informações,  seu professor passar várias correções de uma só vez - muitas vezes no meio de uma combinação movimentos - que é  muito mais do que você desejaria para aplicá-las, mas nem sempre elas ficam na memória. Embora algumas vezes você já tivesse feito, acaba ficando sobrecarregado tentando corrigir todos eles para incorporar corretamente qualquer um deles.

Feedback,  é uma parte necessária do ofício de um dançarino, proporcionando a orientação para desenvolver técnica e parte artística. Mas a aplicação de novas informações nem sempre é fácil. Você pode se sentir bombardeado com muitos detalhes ao mesmo tempo, ou inseguro sobre uma crítica. Aprender a implementar correções é uma arte em si.

Seja receptivo ao feedback e mostre-o
Dançarinos espertos sabem que o feedback é um presente, então mostre que você está ansioso para recebê-lo. Certifique-se de sua linguagem corporal e atitude refletem uma vontade de aprender. "Tenha uma expressão agradável e pareça realmente envolvida", diz Deborah Wingert, que ensina no Manhattan Youth Ballet e no Ailey Extension. Uma vez que você recebeu uma observação, tente fazer a mudança imediatamente, ou ir para a parte reservada do estúdio e praticar por conta própria. Mostre que você pelo menos compreende o conceito, mesmo se você não pode aplicá-lo imediatamente. (Se você tem uma lesão que o impede de fazer alguma coisa, comunique isso ao professor antes da aula.) Os dançarinos que resistem a novas informações podem desencorajar os professores de querer ajudá-los

Lembre-se de que os professores normalmente dão atenção quando vêem o potencial. "Não é que eles estejam escolhendo você", diz Ashley Tuttle, ex-diretora do American Ballet Theatre, que ensina ballet no Barnard College, no Mark Morris Dance Center e em outras escolas. "Tenha pensamento positivo, e acalme a sua voz interior, que talvez pode impedi-lo de receber informações e incorporá-las."

Se você não está recebendo qualquer feedback, lembre-se que você pode se beneficiar das correções de outros dançarinos também. "Você não tem que esperar por um convite especial", diz Wingert.

Se você não entender o que foi dito, peça esclarecimento.
Não há problema em fazer perguntas se você não entendeu uma correção. "Aguarde a pausa, ou vá até o professor depois da aula", sugere Laurie De Vito, professora contemporânea de Simonson no Peridance de Nova York, Mark Morris Dance Center e Gibney Dance. "Peça uma alternativa e converse sobre isso." Você também pode conversar com um dançarino que você respeita ou alguém em sua classe que recebe correções semelhantes. Se você não expressar sua confusão, os professores podem pensar que você não está ouvindo - ou que você não se importa.

Faça suas correções na barra
Você vai precisar ter mais foco para a correção. Visualize-o em sua mente e, se possível, implemente-o enquanto olha no espelho. "Então tire seu cérebro disso e deixe seu corpo encontrar a posição", diz De Vito. "Se um ajuste físico vai ajudá-lo a entender, pergunte ao seu professor para mover seu corpo na forma correta." Anexar um movimento à música também pode ajudá-lo a solidificar o sentimento correto.

Algumas correções levam tempo para manifestar-se fisicamente. "É um compromisso", diz Tuttle. "Seu cérebro compreende, mas seu corpo segue o melhor da sua habilidade. Para alguns pode levar mais tempo." Se você não está virando mais do que é solicitado, por exemplo, não fique frustrado porque você não pode fazê-lo imediatamente. Trabalhe em acoplar os músculos apropriados, mantendo seus saltos e sustentando sua rotação máxima. "Lembre-se que a dança não é sobre ser capaz de fazer  movimentos perfeitos, mas ser capaz de mover dentro e fora das melhores posições que você pode fazer", diz Tuttle. "Não se abata sobre si mesmo ou force seu corpo, isso pode causar lesões."

"Os verdadeiros artistas têm paciência", diz Wingert. "Você faz o seu melhor até que ele clica.

Fonte: http://www.dancemagazine.com

Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo