sexta-feira, 12 de maio de 2017

Bailarina e mãe: podemos ser ambos?

Resultado de imagem para Charlotte Vincent ballerina pregnant


Oi Gente!

Charlotte Vincent do teatro da dança de Vincent trabalha com bailarinas  que enfrentam a questão da maternidade.

Como praticante feminista, ela tenta rejeitar os estereótipos de gênero e dança no trabalho que ela faz: "Sempre estou interessada em ver atrizes/bailarinas fortes e que são fisicamente poderosas e emocionalmente expressivas.

Como uma diretora artística que trabalhei nas artes por duas décadas eu enfrento atualmente alguns questionamentos desafiadoras dentro da companhia com os bailarinos que querem criar famílias assim como um novo trabalho. Estou descobrindo que as questões sobre gravidez, maternidade e dança são tão complicadas, complexas e emocionalmente exigentes como o processo de fazer o trabalho em si.

Bebês e ter uma carreira criativa
As bailarinas geralmente dedicam 100% de seu tempo e energia ao processo criativo e às demandas de um estilo de vida em turnê. Ter um estilo de vida transitório torna-se normal e as expectativas em torno da família e parceiros são limitadas, isso é consequência pelo estilo de vida que escolhemos como artistas.

À medida que amadurecemos o relógio biológico entra em ação, algumas bailarinas percebem que deixaram a maternidade tarde demais e algumas decidem que não querem filhos, preferindo a vida na estrada.

Mas o que acontece com aqueles que optam por fazer as duas coisas? Como a dança pode apoiar esses dois atos criativos como uma tandem (bicicleta com dois lugares, onde as pessoas podem pedalar juntas) - fazendo bebês e trabalhando?

A bailarina é geralmente uma pessoa que se preocupa com seu corpo e a função dele para toda vida adulta. O processo de  engravidar para quem já teve o histórico de transtornos alimentares, baixo peso e trabalhos exaustivos,  pode ser frustrante, debilitante e doloroso.

A questão de engravidar enquanto ainda está realizando um trabalho, pode causar um aborto espontâneo. O resultado é do excesso de esforço, especialmente em mães mais velhas. O tipo de trabalho que os bailarinos se envolvem irá também determinar a sua decisão de continuar com ele ou não.

Saltando sobre 120 cadeiras ou caindo sobre um piso de ardósia, você pode pensar duas vezes sobre colocar você e a saúde do seu bebê em risco.

As mulheres que trabalham como bailarinas freelancer têm decisões difíceis a fazer em engravidar. Se pararem de dançar, elas param de ganhar dinheiro - algumas mulheres que não tem relacionamentos estáveis ​​podem optar por não continuar com a gravidez nessas circunstâncias.

Alguns freelancers com parceiros capazes de suportar a aventura da maternidade podem tornar-se financeiramente dependentes pela primeira vez em suas vidas - um ajuste emocional e psicológico difícil para feministas!

Se trabalhar PAYE, as bailarinas recebem uma ajuda de custo para maternidade. No entanto, empregos de dança contemporânea em tempo integral com todos os benefícios não estão amplamente disponíveis na cena de dança experimental do Reino Unido, é limitado dentro da cena contemporânea .

Estamos trabalhando menos do que o habitual por causa das visitas semanais dos parceiros das bailarinas e de seus bebês ao estúdio. Emocionalmente, o dançarino está descobrindo que o sono das noites quebradas com um bebê na época dentição inibe seu tempo de recuperação das noites de sono perdidas, o que pode levar ao cansaço acumulado.

Como precaução, a VDT empregou um sub-estudo totalmente pago para aprender seu papel, pela primeira vez na história da empresa. Arts Council England apoiou este modelo.

Para evitar a perda de nossas melhores bailarinas maduras para  maternidade, devemos fornecer apoio consistente e apropriado para encorajar as mulheres de volta ao trabalho ou vamos criar um ambiente de dança britânica dominada por homens e artistas femininas mais jovens, cujo trabalho é válido, mas talvez carece de profundidade emocional. As muitas maneiras práticas de fazer isso podem ser consideradas e projetadas para cada empresa / indivíduo envolvido, mas podem se beneficiar da política ACE.

Juntamente com estas responsabilidades organizacionais, no entanto, são as considerações do indivíduo e como ela gerencia a mudança psicológica e emocional de artista para mãe e vice-versa. Disseram-me que depois de ter um filho, você muda a sua visão do mundo.

Fonte: https://www.theguardian.com


Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo


Nenhum comentário:

Postar um comentário