sexta-feira, 26 de maio de 2017

E se o Festival de Dança não fosse competitivo?


Resultado de imagem para festival de joinville 2017


Os anúncios mais esperados de um Festival  não são de nomes de companhias internacionais ou de bailarinos famosos, mas aquelas palavrinhas que, ditas tarde da noite na Feira da Sapatilha, emocionam e fazem vibrar. Estar entre os três primeiros colocados da Mostra Competitiva do Festival de Dança. 

Isso depois de já terem enfrentado uma seletiva rigorosa para estarem entre as centenas coreografias que conquistam o direito de subir ao palco central. Mas será que focar na competição é saudável para os jovens que vivem a ansiedade de esperar pela nota para os minutos que apresentaram em frente aos jurados?


— Acho que isso vai muito de como a escola prepara seus alunos para este momento. Quando há uma competição, ela tem que ser sadia, para que atue na formação de caráter. Ela deve ser clara e não pode ser tendenciosa — avalia o diretor executivo da Cia Adriana Assaf, de São Paulo, Robson Luna, que tem uma longa trajetória de premiações em Joinville.



A diretora do Grupo Corpo Livre, Glauscia Pisciotta, defende a competição desde que ela não seja a prioridade do grupo que se inscreve para concorrer a uma vaga. Para ela, estar entre os escolhidos para a grande arena já deveria ser uma vitória.



— Os trabalhos apresentados no Festival são muito bons, então a premiação deve ser apenas uma consequência. E a competição é importante também, já que é um desafio que ajuda a promover a superação dos bailarinos — afirma.

Questão de maturidade
Em 2012, a dançarina e coreógrafa Luana Espíndola, 29 anos, recebeu com surpresa o prêmio de melhor bailarina do 30º Festival de Dança de Joinville. Apesar dos consecutivos primeiros lugares na categoria, ser escolhida para o prêmio máximo na categoria feminina, que geralmente fica com as participantes do clássico, elevou o nome da jovem diretora do Instituto de Orientação Artística (IOA), de Jundiaí, ao dos grandes talentos nacionais.
— Ter recebido o prêmio de melhor bailarina transformou a minha carreira. Os convites para trabalhos aumentaram muito, como bailarina e como coreógrafa. E colocou não só a minha escola mas também a minha cidade em destaque. — disse Luana. 

Por exemplo, se um dos maiores Festivais de dança como o de Joinville, de repente, cancelasse a competição e se transformasse apenas em mostra de dança, no entanto, ela afirma que seus colegas não deixariam de se inscrever. Ainda que sem tanto frio na barriga, o Festival sobreviveria assim como seus outros eventos continuam, com os palcos abertos e a mostra contemporânea de dança.


O coreógrafo Ricardo Scheir, que participou da primeira edição como bailarino, recebeu prêmios de melhor coreógrafo em 2000 e 2004 e seu grupo, o Pavilhão D, tem um histórico de vitórias na Mostra Competitiva, concorda com a jovem bailarina. 



—  O que interessa no Festival de Joinville é a estrutura oferecida. É dançar para 4 mil pessoas numa noite, é a semana de convivência com outros grupos. Mas acho que é questão de maturidade: o meu grupo viria de qualquer jeito, mas acho que a molecada nova precisa da motivação que a competição oferece.

Confira também das opiniões de Lucas David e Marcela Benvegnu

Sou a favor do palco, independente dele ser uma competição ou não. Hoje, no Brasil, as escolas tem poucos palcos para dançar e os festivais minimizam essa carência de pautas em teatros ou oportunidades de se levar uma ou outra coreografia para a cena. A competição é saudável pois te coloca em estado de atenção para ver que tipo de produção, linguagem, técnica e tendência estão sendo apresentadas. Seria falso dizer que não se gosta de ganhar, todo mundo gosta, todo mundo quer. É o reconhecimento do trabalho do diretor, coreógrafo, bailarino. 
Ao mesmo tempo, acho que mostras são interessantes quando se propõe a uma reflexão, uma conversa, uma troca. Se ela não te trouxer um feedback, não funciona. É preciso refletir sobre o seu trabalho, caso contrário, temos apenas uma apresentação atrás da outra.
"Marcela Benvegnu é jornalista. Participou do Festival de Joinville como bailarina e atuou como crítica em 2006 e 2007 no caderno AN Festival, de A Notícia. Este ano, é jurada de jazz.

Eu acredito que a arte é um dom divino, talvez uma das maneiras mais preciosas de expressão do ser humano, a necessidade de ser criativo e ter auto estima pra ser um ser crítico e construtivo. Sendo assim, penso que quanto menos criarmos competições, e sim intercâmbios para trocas e mostras de arte, sem alimentar o ego de alguns, e ao mesmo tempo, rebaixar outros, pois a arte não é atletismo (aliás, toda competição é em si uma batalha de guerra) e, sim, poesia que alimenta a alma, devemos incentivar e alimentar as várias formas de recriar a vida, as artes, todas essas expressões. Toda maneira de expressar sua verdade deve ser um passo pra um mundo de igualdades e respeito ao próximo.
Lucas David é professor e diretor de dança. Trabalhou na organização do 2º Festival de Dança, em 1984, e seus alunos participaram do evento nos anos 1980 e 90. 


Fonte:http://anoticia.clicrbs.com.br


Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo


Nenhum comentário:

Postar um comentário