terça-feira, 24 de novembro de 2015

Como o ballet foi influenciado pela moda.



                                       

Oi Gente!

Hoje os bailarinos atuam com numerosas formas de vestuário, incluindo as compactas roupas de ensaio que se usam no estúdio. Ainda que utilizado pela primeira vez pelo coreógrafo russo George Balanchine por razões econômicas, a roupa de ensaio foi escolhida por sua simplicidade e por demonstrar de forma nítida as linhas do corpo. O vestuário dos primeiros balés se compunham simplesmente das roupas elegantes da época. 

O tutu , uma saia armada de tule transparente, foi popularizada por Marie Taglioni, no balé La Silfide em 1832.O figurino foi se tornando mais curto ao logo do do século e se converteu no atual e característico tutu da bailarina.
Em 1910 uma mudança profunda aconteceu no balé, influenciada pelo Ballet Russo que percorria o cenário europeu. O vestuário do ballet se diversificou graças ao coreógrafo Fokine, que não se conformou que a música, o cenário e o figurino fossem meros acompanhamentos da dança. As cores chamativas e a onda oriental substituiu a hegemonia do tons pastel e as saias largas.

Bailarinas, como a sensual Isadora Duncan e a enigmática espiã Mata Hari, se transformaram em ícones de beleza seguidos mundialmente. Graças a esta nova moda , as mulheres se atreveram a desafiar os sólidos princípios morais que as prendiam ; e começaram a mostrar o corpo, o que por acaso não foi possível sem o escândalo da Igreja e dos meios machistas. Os colos “até as orelhas”, cederam espaço para os decotes em V e as saias se encurtaram levemente, deixando descobertos os tornozelos, coisa que também causou estupor na época. Isto porque durante séculos, as pernas femininas haviam sido consideradas como símbolos eróticos que “provocavam a luxúria nos homens” e que por isso, deviam se escondidas.

Em 1914 chegou a primeira guerra mundial, que de dimensões arrepiantes e de trágicas conseqüências para o velho continente, terminou por completo com o luxo da moda francesa e inglesa, onde se encontravam as grandes casas de alta costura. Uma vez terminado o conflito, em 1918, a saia boca de sino deu passo aos cortes retos tipo “tubo”. 

O tão utilizado corpete mudou de estrategia, se antes havia sido usado para levantar o busto, agora o usavam para diminuí-lo. O “corpete alisador” e os vestidos acinturados no quadril, desenharam o novo tipo de beleza e de mulher: aquelas que buscavam parecer mais com os homens do que as antigas beldades femininas.

Assim surgiram as mulher estilo “garçon”, que para conseguirem parecer mais com os homens, cortaram os cabelos e começaram a sair e a dançar , rompendo os antigos padrões sociais que diferenciavam as classes. Agora era de “ bons olhos” parecerem com as cortesãs de “vida alegre”.

Em plena época do pós guerra e representando esta nova geração de mulheres independentes e modernas, apareceu a mítica Coco Chanel. Seu estilo comodo e prático representava a revolução feminina e econômica que devia surgir na época da recessão. Por esta razão, introduziram materiais mais simples e baratos que o chiffon, o tule e a seda. 

Criou-se então os trajes de tecidos finos, que davam mais e melhor flexibilidade para a nova mulher, já que ademais, punham ênfase na prática esportiva, incentivada pelo recente costume de ocupar o tempo com algo útil. Com a crise econômica de 1929,a indústria da moda introduziu o linho como material em voga, ( devido ao seu baixo custo) e os materiais artificiais como as baratas sedas sintéticas que ocuparam rapidamente o lugar da seda natural, que tinha elevado custo.

Em 1930, a pauta a seguir era as atrizes como Greta Garbo e Marlen Dietrich, mulheres de ombros largos e quadris delicados, altas e finas, como uma esfinge egípcia. Neste período o ponto erótico mudou, desde as pernas até as costas, que agora eram ressaltadas por decotes proeminentes, que provocavam o delírio masculino. Agora a mulher estava envolta com uma áurea de encanto , sensualidade e mistério. Os homens sucumbiam-se diante desta beleza madura. As mulheres aproveitavam-se do corpo, sem ocultar a beleza por princípios moralistas.

Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário