sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Desastre ou oportunidade?



Todos nós sofremos contratempos, mas você pode escolher o que fazer deles, escreve Michelle Dursun.
Os contratempos vêm em todas as formas e tamanhos. Eles podem ser o resultado de uma lesão; um desempenho que não foi tão bem como planejado ou talvez uma falha de audição. Os contratempos são difíceis de lidar. Pode ser difícil ter uma decepção, rejeição ou a frustração de uma lesão.

A realidade é que, para os artistas, os contratempos vão muito além, e o faz a diferença é como você lida com eles. Você poderia tratá-los como uma "catástrofe" - "o Fim do Mundo!" Ou um "desastre total"! Ou você poderia tratá-los como uma "oportunidade de aprendizagem", um "fortificante" ou um "construtor de resiliência". Você pode escolher o que lhe convém.

Sejamos francos: os contratempos não são divertidos. OK  você se sentir desapontado ou desiludido. Como diz Daniel Savetta, um artista do Washington Ballet nos EUA: "Estar chateado as vezes é bom, e até normal. De qualquer forma ninguém quer lidar com a adversidade. "Portanto, é importante sentir a decepção, mas é importante também perguntar a si mesmo," o que eu posso tirar disso? "Os contratempos podem ser vistos como oportunidades disfarçadas. Eles dão a você a chance de crescer e aprender.

Audição ou contratempo do desempenho
Os contratempos fazem parte da vida de um artista. Richard Causer, um dançarino da Expressions Dance Company em Brisbane, diz: "Você tem que estar preparado para experimentar algum tipo de falha e rejeição, se você tem uma carreira artística".

Causer, que passou quatro anos trabalhando como dançarino profissional em Londres antes de se juntar à Expressions, explica que teve a sorte de ter sempre trabalho. No entanto, "não aconteceu sem ser recusado em algumas audições". Ele acrescenta que chegou a um ponto onde ele teve que reformular a sua abordagem na audição "como um workshop para o meu desenvolvimento pessoal ". Ele tiraria o máximo da audição e aproveitaria a oportunidade de trabalhar com "coreógrafos e dançarinos incríveis, aprender repertório espetacular e fazer parte do processo criativo, uma oportunidade que raramente acontece fora de uma audição". Desta forma, a experiência o ajudou a crescer como artista, mesmo que não tivesse sucesso.

Gene Moyle, psicólogo, professor associado e chefe de dança na Universidade de Tecnologia de Queensland, explica que quando se trata de um retrocesso de desempenho pode ser um desafio para refletir sobre uma experiência ruim, porque "um contratempo geralmente está ligado a sentimentos negativos e emoções ". No entanto, ela aconselha que tirar um tempo para refletir sobre coisas que não são planejadas ou erros que você tenha feito é  "ser crítico para garantir que você entenda por que as coisas aconteceram dessa maneira, e o jeito que foram realizadas, o que permite que você coloque no lugar as suas metas  ". Concentrar-se nos aspectos positivos de um desempenho é tão importante quanto aprender com os negativos. "Mesmo quando não obtemos os resultados que queríamos, sempre haverá pelo menos uma coisa que fizemos bem".

Lesões
O resultado de uma lesão pode ter um impacto muito mais a longo prazo do que uma rejeição de audição ou de um mau desempenho. Para Benjamin Ella, primeiro artista do Royal Ballet em Londres, teve uma fratura de estresse em seu osso navicular do seu pé que aconteceu no pior momento. Acabaram de lhe oferecer um contrato com o Royal Ballet. Felizmente, diz ele: " Lady Monica Mason, que era diretora artística do Royal Ballet naquela época, manteve meu contrato e me deu tempo para me recuperar". No entanto, quando seu osso navicular começou a fraturar novamente após dois meses em Londres, ele teve que fazer uma cirurgia para implantar dois parafusos de titânio no osso, resultando em mais 12 meses de recuperação antes que ele pudesse voltar aos palcos.

Ella explica que um dos aspectos positivos do processo de lesão e reabilitação foi a oportunidade de avaliar o futuro e se perguntar: "Eu realmente quero isso?" Ele chegou à decisão de que aos 21 anos de idade, Não podia desistir da paixão pelo balé ". E afirma que todo o processo o tornou mais forte e mais resistente.

Savetta também enfrentou um sério contratempo em sua carreira com uma grave lesão na canela que exigiu cirurgia e longa reabilitação. Com o objetivo de voltar ao palco "o mais rápido possível", uma das lições que ele aprendeu foi como permanecer positivo através da frustração de não ser capaz de dançar. Ele descobriu que tinha que canalizar sua energia para algo explorando outras paixões. "Eu trabalhei quando estava em casa, conforme minha saúde permitiu, aprendi a usar a máquina de costura, fiz a bainha das calças e me ocupei com os tutus".

Ella, Savetta e Causer (que atualmente está lidando com um tendão de bíceps e lesão de cartilagem) todos tem como lição as suas lesões como uma oportunidade de refletir e de reavaliar sua abordagem para trabalhar. Ella aconselha, "você não pode ir a 110 por cento todos os dias, você iria quebrar." Uma das lições aprendidas por todos os três dançarinos foi como trabalhar de forma inteligente, com dureza, para manter o equilíbrio e cuidar de seus corpos.

Outra porta abre
Os contratempos também podem, por vezes, proporcionar uma oportunidade de avançar por um caminho diferente. Christine Denny, ex-dançarina profissional e fundadora de Tapatak Oz, diz que os contratempos e rejeições que enfrentou em sua carreira foram realmente uma "bênção disfarçada". Ela diz que o que parecia ser tão negativo na época era um "uma oportunidade de ouro, que me guiou em outra direção". Sem esses contratempos, "talvez nunca tenha descoberto minha paixão absoluta por ensinar e inspirar a próxima geração de professores e de bailarinos".

Como "enquadrar" um contratempo
Como enquadrar um contratempo é uma habilidade importante para qualquer um. Moyle explica que a resiliência é realmente "uma mentalidade, uma atitude". Lidar com a decepção pode ser uma oportunidade de crescimento, mas, para que assim seja, dançarinos devem "também reconhecer que esta experiência é apenas uma experiência" - não é útil transformá-lo em uma catástrofe. Em vez disso, a experiência deve ser vista no contexto.

Então, talvez você tenha tido um resultado que não é o que você queria e você está desapontado que as coisas não seguiram o seu caminho, mas é importante lembrar que as circunstâncias não são permanentes. Seja qual for o contrtempo, olhe para as oportunidades que está apresentando você. Pegue o que você pode aprender com ele e voltar para o jogo. Manter as coisas em perspectiva e seguir em frente, como Savetta aconselha, "é uma aprendizagem contínua e com positividade".


Conselhos para professores
Há algumas  estratégias que os  professores podem empregar para apoiar os alunos através de um contratempo:
1. Refletir sobre o desempenho e pesar as coisas que foram bem em conjunto com as áreas que requerem atenção, há sempre alguns aspectos positivos!
2. Estabeleça metas para lidar com áreas do desempenho que precisam ser melhoradas.
3. Mantenha as coisas em perspectiva. Wendy Mollee, ex-dançarina profissional e agora diretora da Dancefever na Gold Coast, diz: "Eu digo aos alunos - isso aqui não são os Jogos Olímpicos!"
4. Lembre aos alunos que eles estão em uma viagem que às vezes pode ser difícil, mas os desafios proporcionam-lhes uma oportunidade para melhorar e crescer.
5. Reformule o conceito de sucesso - não é o resultado de que tudo dá certo o tempo todo, e sim resultado de persistir através da adversidade
6. Lembre aos alunos que esta é uma situação temporária e para ser otimista sobre o futuro.

Fonte:http://www.danceaustralia.com.au

Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo


Nenhum comentário:

Postar um comentário