segunda-feira, 10 de abril de 2017

Transtornos alimentares


Resultado de imagem para bailarina de ballet anorexica

Oi Gente, 

 A cultura ocidental faz da mulher magra um símbolo de competência, sucesso, controle e atrativos sexuais, enquanto o excesso de peso e a obesidade representam preguiça, indulgência pessoal, falta de autocontrole e força de vontade.
O medo da obesidade faz com que muitas mulheres controlem neuroticamente o peso corporal, por meio da adoção de dietas extremamente restritivas, exercícios exaustivos e uso de laxantes, diuréticos e drogas anorexígenos.
Mudanças corporais com relação à forma, tamanho e aparência são comuns em todas as culturas. Estas expressam onde este indivíduo está inserido na sociedade e podem ainda demonstrar mudanças no seu status social.
Jovens bailarinas sofrem constante pressão para manter baixo seu peso corporal e com altos índices de exercícios físicos. É comum que estas dançarinas utilizem práticas que visam perda e controle de peso, além de buscarem manter peso corporal inferior ao encontrado em não-dançarinas. Logo, as bailarinas são consideradas um grupo de alto risco para o desenvolvimento de Transtornos Alimentares (TA's), especialmente a Anorexia Nervosa.
Segundo Claudino e Borges, TA's são síndromes comportamentais cujos critérios diagnósticos têm sido amplamente estudados nos últimos 30 anos. São descritos como transtornos e não como doenças por ainda não se conhecer bem a sua etiopatogenia.
De acordo com Philippi e Alvarenga, e Cordás, TA's são doenças psiquiátricas que afetam na sua maioria adolescentes e adultos jovens do sexo feminino, podendo levar a grandes prejuízos biológicos, sociais e psicológicos e aumento da morbidade e mortalidade.

 Prevalência de transtornos alimentares em bailarinas
É esperado que bailarinas apresentem um peso corporal extremamente baixo. No entanto, ao atingir este corpo considerado ideal, estas meninas apresentam comumente irregularidades menstruais, ou mesmo amenorreia, além de danos às estruturas esqueléticas.
Estudo realizado por Ringham em Pittsburgh analisou sintomatologia de TA's em 29 bailarinas, que foram comparadas com dados arquivados de 26 mulheres com AN do tipo restritivo, 47 mulheres com Bulimia Nervosa (BN) e 44 mulheres sem nenhuma enfermidade de origem alimentar. Para a coleta de dados foram realizados: uma entrevista clínica semi-estruturada, aplicação do Eating Disorders Inventory (EDI) e uma entrevista sobre o histórico do peso corporal. Como resultado descobriu-se que 83% das bailarinas se encaixavam no diagnóstico de algum TA, sendo que 6,9% tinham AN, 10,3% apresentavam BN, 10,3% apresentavam uma combinação de BN e AN e 55% se encaixavam no quadro de Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP).
Além disto, as características do grupo de bailarinas se assemelharam mais com as do grupo com TA's do que com as do grupo controle, nas medidas para enfermidades alimentares. Por meio destes resultados os autores concluíram que, apesar da ênfase dada à AN nesta população, as dançarinas da amostra apresentam com freqüência episódios de compulsão alimentar seguidos de purgação, manisfestada principalmente na forma de vômitos, uso de laxantes e de diuréticos.
Ravaldi avaliou, em Florença, na Itália, 113 bailarinas amadoras, 54 praticantes de ginástica do sexo femininos, 44 fisiculturistas não-competitivos do sexo masculino, 105 controles femininos e 30 controles masculinos através da aplicação dos seguintes instrumentos: Body Uneasiness Test, do State-Trait Anxiety Inventory, do Beck Depression Inventory e do Eating Disorder Examination 12th Edition (EDE-12). Os resultados demonstraram que o grupo de bailarinas apresentou a maior prevalência de TA's, sendo 1,8% das dançarinas acometidas por AN, 2,7% por BN e 22,1% por TCAP. Estes dados demonstram que não somente os profissionais do Ballet apresentam altos índices de TA's, mas também os amadores.

Considerações
A preocupação com o peso corporal e aparência são comuns em ambos os gêneros em adolescentes e a distorção da imagem corporal não é característica particular dos indivíduos acometidos por algum TA. A associação entre magreza e sucesso gera insatisfação em especial para indivíduos do gênero feminino.
Os atuais padrões de beleza não levam em consideração aspectos relacionados à saúde e diferentes constituições físicas da população. Este modelo distorcido leva um número cada vez maior de mulheres a se submeter a dietas alimentares e uma série de medidas equivocadas para o controle de peso.
A prevalência de TA's é maior em atletas de alto nível, principalmente em modalidades estéticas, como o Ballet, variando de 10 a 66%. Segundo Sundgot-Borgen a prevalência de TA's em atletas é de 18%, enquanto em não-atletas esta cai para 5%.
Jovens do sexo feminino que praticam esportes que exigem baixos índices de gordura corporal consomem, normalmente, dietas hipocalóricas. Bailarinas, em especial, utilizam métodos de perda de peso para manterem o físico ideal para a dança. Isto pode levar a um comprometimento da saúde, visto que atletas e treinadores não possuem adequados conhecimentos sobre nutrição, utilizando-se de práticas inadequadas.
Observou-se que bailarinas apresentam maior tendência a apresentar TA's do que pessoas que não praticam Ballet, o que torna estas crianças e jovens mais suscetíveis a diversas enfermidades e complicações físicas e psicossociais.
    Devido à alta morbidade e mortalidade decorrentes da presença de TA's, um efetivo trabalho de prevenção torna-se necessário no caso de bailarinas e outras atletas jovens de modalidades que exigem uma aparência física esbelta, decorrente de um baixo percentual de gordura.
    A detecção precoce dos distúrbios alimentares e a educação de pais e treinadores quanto à gravidade destes transtornos são estratégias interessantes para a prevenção e tratamento dos TA´s.

Fonte: http://www.efdeportes.com

Instagram: moda_ballet
Whatsapp ou Telegram: (11) 9.4555.8441
Tel.: (11) 3530.3024
Loja física: Rua Paulo Eiró, 156 – Centro de Ofertas – Santo Amaro – São Paulo


Nenhum comentário:

Postar um comentário